Motivos Para Investir em Educação Financeira

Tempo de leitura: 8 minutos

Investir em Educação Financeira é uma forma de obter saúde financeira e bem estar físico, mental e emocional.

Infelizmente boa parte da sociedade não entende o que é Educação Financeira e, por esse motivo tem resistências em relação aos benefícios que ela pode proporcionar.

Como Educador Financeiro eu sugiro que você então faça um autodiagnóstico. 

Abaixo segue algumas situações muito comuns que atestam que a Educação Financeira pode ser um divisor de águas em sua vida. Veja onde você se enquadra. Se isso ocorrer em pelo menos 3 vezes, recomendo que considere a possibilidade de investir em uma Consultoria Financeira.

Trabalha para pagar contas

A expressão “trabalho para pagar contas” é muito recorrente em meu trabalho. Pessoas de todos os níveis sociais e formações acadêmicas, inclusive aquelas que tem altos rendimentos e muitos diplomas, se sentem literalmente escravos das dividas. 

Essa é uma das piores sensações que um ser humano pode sentir. Uma percepção de que se trabalha para pagar contas diminui nosso prazer e motivação e compromete a qualidade de nosso trabalho. 

Se você tem esta sensação, saiba que esta situação pode ser revertida. Mas para isso você tem que querer.

Cheque especial e cartão de crédito são personagens presentes no seu dia a dia

O que ouvimos por aí e que o cartão de crédito é o grande vilão na vida financeira das famílias. Cheque especial fica ali, lado a lado praticamente. Ou seja, as pessoas não conseguem viver sem esses dois instrumentos de crédito, por sinal, caríssimos,  e que afetam profundamente a saúde financeira das famílias

O pior é quando alguém começa a acreditar que é impossível viver sem eles. Essa crença na dependência de crédito é o maior câncer que afeta a saúde do trabalhador brasileiro. 

Eu posso te dizer que existem vida além do cartão de crédito e do cheque especial. Isto é, você pode eliminá-los do seu dia a dia e transformar os juros que paga em investimentos para sua independência financeira.

Não vê a "cor do dinheiro"

Esta frase está entre as “Top 3” aqui em nossa consultoria financeira. Profissionais liberais, empresários e executivos de empresas. 

Normalmente são pessoas que ganham muito bem, 10, 20, 30, 50 mil reais por mês, mas dizem que simplesmente não conseguem ver a “cor do dinheiro”. Estão sempre fazendo malabarismos financeiros, envolvidos com cartão de crédito e cheque especial, e preocupados com a situação. 

Mas, infelizmente, essas pessoas são as mais resistentes a procurar ajuda. Mesmo admitindo o problema, continuam tentando fazer sozinhos, muitas vezes repetindo conceitos e técnicas ineficazes.

Se você já disse essa frase antes, espero que elas não se repitam no futuro. Isso e possível!

Desentendimentos relacionados com dinheiro são frequentes com cônjuge e familiares

Talvez você já tenha ouvido a expressão bíblica “um abismo cham outro abismo” (Salmos 42:7). Sem entrar em reflexões teológicas podemos tirar um significado claro olhando somente para a expressão. 

Em nosso assunto aqui, um problema leva a outro problema, que leva para o outro e assim sucessivamente, causando estragos de ordem financeira, emocional, relacional não vida de que vive isso.

O que tenho visto é ás pessoas cometerem pequenos erros e isso acaba afetando a saúde dos relacionamentos. A falta de diálogo, o não cumprimento de compromissos financeiros, mentiras, são exemplos comuns do que acontece nos relacionamentos e acaba gerando muito desentendimento.

Eu sou suspeito para falar afirmo com todas as letras, se este tipo de situação faz parte de sua vida, dê atenção á Educação Financeira e você conseguirá restabelecer e fortalecer muitos relacionamentos.

Tem dificuldades de construir reserva financeira

Quantos meses você tem de reserva financeira para sobrevier a tempos de crise, por exemplo a que estamos vivendo agora (Covid-19) ou outras como período de desemprego, desaceleração econômica, etc?

A maioria dos brasileiros não tem reserva para um único mês. Para muitos que faço esta pergunta dizem, rindo: 

– Por alguns dias!

– Até amanhã!

– Enquanto durar o salário-desemprego!

Do ponto de vista da Educação Financeira é uma situação delicada e preocupante. Em nossa cultura não existe a preocupação de guardar um parte do que se ganha. Aliás, quem diz que guarda algum dinheiro já é facilmente rotulado de “pão-duro”, “avarento”.

E não é nada disso. Guardar uma fração do que ganhamos não nos faz perder qualidade de vida. Pelo contrário, nos dá mais tranquilidade e nos deixa mais motivado.

E possível aprender a poupar sem se tornar um avarento. Acredite, é possível!

 

Trabalha muito, ganha bem, mas não consegue desfrutar daquilo que conquistou

Existe uma outra situação bastante comum. Pessoas que ganham bem, fruto de sua competência, dedicação e trabalho, mas simplesmente não consegue desfrutar daquilo que conquistam. 

São pessoas que sempre estão trabalhando, enquanto a família sai de férias ele fica mais alguns dias no escritório, quando consegue ter um “tempinho” para a família não conseguem ficar sem o celular na mão trocando ligações com o chefe, funcionário, fornecedor ou cliente.

Mas um tipo de escravidão financeira que é muito comum mas poucos percebem. 

A pergunta que faço é: 

– Vale a pena?

Vou perguntar de novo?

– Está valendo a pena? 

Em alguns anos você estará aposentado (uma parte apenas, porque outra sequer isso terá), seus filhos terão crescido, casado, viajado pelo mundo e você notará que perdeu momentos valiosos consigo mesmo e com sua família porque se deixou enredar pelo vício do trabalho.

E eu sei que foi com a melhor das intenções, você estava focado em dar o melhor para quem você ama.

Quer uma sugestão?

Pensei em alternativas para equilibrar trabalho, família e cuidados consigo mesmo. O tempo não volta.

Fica apavorado ao pensar que pode, um dia, perder sua fonte de renda

Com o perdão da frase “batida”, “a vida é feita de altos e baixos”.

Um dia estamos por cima, outros estamos no “abismo” como citei acima. Um dia temos flores, outro temos espinhos. Um dia estamos ganhando muito bem, outro estamos desempregados. Um dia faturamos alto em nossa empresa, outro o concorrente levou parte de nossos clientes.

Ora, eu já sei que isto acontece. O que eu poderia fazer para “mitigar” esse problema? Quais seriam minhas estratégias para estar mais preparado para aproveitar o momento de ondas altas e para me recolher na tempestade?

Existem ações, conhecimentos, estratégias, investimento, lições, orientações que podem te ajudar a minimizar os impactos da “instabilidade” da vida.

Não estou falando aqui somente de “fazer reserva financeira”. A Educação Financeira não se resume somente a poupar e investir. Há muita coisa a ser desenvolvida em nossos comportamentos financeiras que potencializam nosso bem estar em todas as áreas.

E aprender isso está muito mais perto do que você imagina, mas eu pergunto:

– E  que você está fazendo para obter tudo isso?

Educação Financeira - muito além de questões financeiras

Caro amigo(a)

Pudemos refletir sobre algumas situações que mostram o quanto o analfabetismo financeiro afeta a vida das pessoas. 

Após uma década como Educador e Consultor Financeiro tive a oportunidade de contribuir para que dezenas de pessoas em todo o Brasil e em outros países aprendessem a dominar sua vida financeira. 

Com isso recebo depoimentos inesperados de pessoas que dizem que conseguiram sair das dívidas, começaram a investir, estão mais motivadas e produtivas, voltaram a praticar esportes, melhoraram da depressão, fortaleceram o casamento, etc.

A lista de benefícios da Educação Financeira é enorme. Eu sei disso porque a Educação Financeira começou em minha vida primeiro. Eu também passou por todos os problemas que descrevi acima.

Mas eu aprendi e os impactos positivos foram tão rápidos e grandiosos que decidi me tornar um educador financeiro. 

Você pode aprender muitas coisas para melhorar sua “performance” pessoal, familiar ou profissional. Pode estudar um novo idioma, fazer um curso de relacionamento interpessoal, dominar tecnologia, etc. 

Mas sinceramente, eu não deixaria de lado a necessidade de investir em Educação Financeira. Há muitos profissionais no mercado, mas se você quiser conhecer a metodologia que criei, entre em contato. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *